sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Biografia de Tupac


Tupac Amaru Shakur (16 de Junho de 1971 – 13 de Setembro de 1996) conhecido por Tupac (derivando para 2pac ou para pac) ou Makaveli, foi um dos artistas que mais vendeu em todo o mundo. No total vendeu 75 milhões de álbuns e 37,5 foram nos estados Unidos. Foi considerado pela revista Rolling Stone como o 86º melhor artista de todos os tempos.

Além da sua carreira no rap, foi um actor bastante promissor e um activista social. Grande parte dos sons de Shakur falavam sobre crescer no meio da violência e miséria dos guetos, racismo, outros problemas sociais e de conflitos com outros rappers durante a lendária rivalidade entre as costas este e oeste.

Tupac nasceu no Harlem secção leste de Manhattan, em Nova Iorque. O seu nome de nascimento foi mudado pouco tempo após o seu nascimento para Túpac Amaru II, um revolucionário peruano que liderou a revolta indígena contra a Espanha e foi posteriormente executado.

Sua mãe, Afeni Shakur e seu pai, Billy Garland eram membros activos do partido dos Panteras Negras em Nova Iorque entre o final dos anos 1960 e início de 1970, ele nasceu apenas um mês após a absolvição de sua mãe em mais de 150 acusações de “conspiração contra o governo dos Estados Unidos e marcos de Nova Iorque”.

Apesar de não ter sido confirmado pela família Shakur, várias fontes dão como nome de nascimento “Lesane Parish Crooks”. Nome que foi alterado porque Afeni temia que os seus inimigos atacassem o seu filho e disfarçou sua verdadeira identidade através de um sobrenome diferente, Afeni tratou disso durante o processo de divórcio com Gargland e do seu casamento com Mutulu Shakur.

Seu padrinho, Elmer "Geronimo" Pratt tinha um alto estatuto nos Panteras Negras, foi condenado pelo assassinato de um professor da escola durante um assalto a 1968, embora a sentença foi posteriormente revogada.

O seu padrasto, Mutulu passou quatro anos na lista dos dez fugitivos mais procurados pelo FBI desde 1982 quando Tupac era pré adolescente. Mutulu era procurado, em parte, por ter ajudado sua irmã Assata Shakur (também conhecida como Joanne Chesimard) a escapar de uma prisão em Nova Jersey, onde tinha sido presa por supostamente disparar contra um soldado de estado à morte em 1973. Mutulu foi capturado em 1986 e preso pelo roubo de um caminhão blindado em que dois policiais e um guarda foram mortos. Shakur também teve uma meia-irmã, Sekyiwa, dois anos mais jovem, e um meio-irmão mais velho, Mopreme “Komani” Shakur, que apareceu em muitas das suas gravações.

Aos vinte anos de idade, Tupac inscreveu-se na peça 127th Street Repertory Ensemble e fez de Travis Younger, personagem que foi realizada por vários artistas famosos. Em 1986, a família deslocou-se para Baltimore, Maryland. Depois de ter estudado dois anos no secundário Paul Laurence Dunbar, ele foi transferido para uma escola de artes onde estudou teatro, poesia, jazz e ballet. Acompanhado por, Dana “Mouse” Smith, para o beatbox, Shakur (na altura, MC New York) ganhou muitas competições de rap e foi considerado o melhor rapper da sua escola. Apesar de não ter as roupas da actual moda, Tupac foi uma das mais populares pessoas da escola, pelo seu sentido de humor, incríveis habilidades no rap e capacidade de misturar-se com todos os tipos de multidões. Ele desenvolveu uma amizade próxima com a jovem Jada Pinkett Smith que durou até á sua morte. No documentário Tupac: Resurrection, ele diz “Jada no meu coração. Ela será minha amiga para a vida toda” enquanto que Pinkett chama-lhe “Um dos meus melhores amigos. Ele foi como meu irmão. Foi além da amizade para nós. O tipo de relação que tínhamos, tem se apenas uma vez na vida”. Um poema escrito por Pac chamado “Jada” aparece no seu livro “The Rose That Grew From Concrete” que também inclui um poema chamado “The Tears in Cupid’s Eyes”. Durante o seu tempo na escola de artes, Shakur foi-se encontrando com a filha do director do Partido Comunista de Baltimore.

Em Junho de 1988, Tupac e a sua família moveram-se outra vez, desta, para Marin City, Califórnia onde estudou no Tamalpais High School e onde começou a assistir a aulas de poesia com Leila Steinberg em 1989. Nesse ano, Leila, organizou um concerto com um antigo grupo de Tupac, Strictly Dope, o concerto levou-o a assinar com Atron Gregory que o colocou no grupo Digital Underground em 1990, como dançarino e roadie.

A carreira profissional de Shakur começa no inicio de 1990, quando ele começou a rimar no Digital Underground, Tupac participou na música “Same Song” pertencente á trilha sonora do filme de 1991 “Nothing but Trouble” onde ele também aparece juntamente com o grupo no filme. A canção foi lançada como a canção principal do EP do Digital Underground “This is an EP Release” Mais tarde, ele lançou o seu primeiro álbum solo “2Pacalypse Now”. O álbum não faz tanto sucesso nas tabelas de vendas como os futuros. Em 1993, Tupac lança “Strictly 4 My N.I.G.G.A.Z.”


No fim de 1993, Tupac forma o grupo Thug Life com alguns amigos tais como Rated R, Big Syke, Macadoshis e o seu meio-irmão Mopreme Shakur. O grupo apenas lançou um álbum, “Thug Life: Volume 1” a 26 de Setembro de 1994 que foi ouro. O álbum continha o single “Pour Out a Little Liquor” produzido por Johnny “J” Jackson que produziu grande parte do álbum “All Eyez on Me”. O grupo actuava usualmente sem Tupac.


Em Novembro de 1993, 2pac e outros amigos foram acusados de ter abusado sexualmente de uma mulher num quarto de hotel. Segundo a denúncia, Shakur teve sexo anal com a mulher e, em seguida, encorajou os seus amigos a abusar sexualmente dela. 2pac negou as acusações. De acordo com Shakur, dias antes, teve relações com a mulher, ela fez sexo oral num clube de dança e, dois dias depois, tiveram sexo consensual num quarto de hotel. A queixosa alegou abuso sexual depois de sua segunda visita ao quarto de Shakur, ela alegou que Tupac e sua comitiva lhe fizerem um “Gang Bang”. Pac foi condenado por abuso sexual. Na primeira sentença de quatro anos de prisão, o juiz descreveu o crime como “Um acto de violência brutal contra uma mulher indefesa”.

Na noite de 30 de Novembro de 1994, o dia anterior ao anúncio do veredicto no seu julgamento de abuso sexual, Shakur foi baleado cinco vezes na entrada do Quad Recording Studios em Manhattan por dois homens armados com uniformes do exercito. Mais tarde, ele iria acusar Sean Combs, Andre Harrell e Biggie Smalls. Shakur também suspeitou do seu próximo amigo e afiliado, Randy "Stretch" Walker, de estar associado ao ataque. De acordo com os médicos do Bellevue Hospital onde foi internado imediatamente após ao incidente, Shakur tinha recebido cinco ferimentos de bala; dois na cabeça; dois na virilha e um através do braço. Ele deu saída do hospital três horas depois da cirurgia contra as ordens do médico, Shakur entrou no tribunal numa cadeira de rodas e foi considerado culpado de três acusações de abuso sexual, mas inocente de outros seis, incluindo sodomia. A 6 de Fevereiro de 1995, foi sentenciado de um ano e meio até quatro anos e meio de prisão por acusação de abuso sexual.

Mais tarde, a 20 de Novembro de 1995, Stretch foi assassinado após ser baleado duas vezes nas costas por três homens enquanto conduzia em Queens Village. Seu monovolume bateu numa árvore e num carro estacionado, antes de capotar.

Shakur começou a cumprir a sua sentencia na Clinton Correctional Facility a 14 de Fevereiro de 1995. Pouco tempo de pois, foi lançado o seu multiplatinado álbum “Me Against the World”. Shakur tinha sido o primeiro artista a colocar um álbum número um na tabela da Billboard 200 enquanto cumpria sentença na prisão, só foi igualado por Lil Wayne com o seu “I Am Not A Human Being”. O álbum estreou na Billboard 200 e ficou no topo das paradas por cinco semanas vendendo 240.000 cópias na primeira semana estabelecendo um novo recorde da maior primeira semana de vendas para um rapper solo masculino, no momento. Enquanto estava na cadeia, ele casou com Keisha Morris em 4 de Abril de 1995 apesar de se divorciarem um ano depois. Enquanto esteve preso, 2pac leu muitos livros de filosofia, política e estratégia como “A arte da guerra” de autores como de Niccolò Machiavelli e Sun Tzu. Enquanto estava encarcerado, Pac também escreveu um roteiro intitulado de “Live 2 Tell”, uma história de um adolescente que se torna um barão da droga.

 Em Outubro de 1995, depois de servir onze meses, o caso de Shakur foi a sede de recurso, mas ele não podia levantar a fiança de 1,4 milhões de dólares. Tupac foi libertado da penitenciária, em grande parte devido à ajuda e influência de Suge Knight, director executivo da Death Row Records, que pagou a fiança de 1,4 milhões dólares em troca de Shakur lançar três álbuns sob o selo da Death Row.

Assim que foi libertado da prisão, Tupac começou imediatamente a gravar. Começou um novo grupo chamado Outlaw Immortalz. Shakur começou a gravar o seu primeiro álbum pela Death Row enquanto lança o single “California Love” com Dr. Dre. A 13 de Fevereiro de 1996, Shakur lançou o seu quarto álbum solo, “All Eyez on Me”. Este álbum duplo continha dois dos três CDs de compromisso com a Death Row. Vendeu mais de 9 milhões de cópias. O registo foi mais direccionado para a mentalidade “thug” (bandida) e gangsta. Shakur continuou suas gravações obstante os crescentes problemas na Death Row. Dr. Dre deixou seu posto como produtor para formar a sua própria gravadora, Aftermath. Shakur continuou a produzir centenas de faixas durante seu tempo na Death Row, a maioria dos quais seriam lançadas em álbuns após a sua morte “R U Still Down” (“Remember Me”), “Still I Rise”, “Until the End of Time”, “Better Dayz”, “Loyal to the Game” e “Pac's Life”. Ele também começou o processo de gravação de um álbum intitulado One Nation com o Boot Camp Clik e sua gravadora Duck Down Records de Nova York.

A 4 de Junho de 1996, ele e o grupo Outlawz lançaram a popular diss track “Hit ‘Em Up” um ataque lírico a Biggie e a outros associados. Na faixa, Shakur disse ter tido relações sexuais com a mulher de Biggie, Faith Evans e ataca a credibilidade da Bad Boy nas ruas. Apesar de nenhuma evidência o sugerir, Tupac estava convicto do que algum associado da Bad Boy sabia do ataque de 94. Shakur alinhou com o director executivo da Death Row, Suge que já teve amarguras com Sean Combs durante um incidente em 1995 no Platinum Club, em Atlanta, Geórgia, que culminou com a morte do amigo e guarda-costas de Suge, Jake Robles; Suge foi inflexível em expressar suas suspeitas do envolvimento de Combs. A assinatura de Shakur com Suge Knight e com a Death Row foi o ponto de partida para um conflito entre a Costa-Este e Costa-Oeste. Ambos os lados foram inimigos até á morte de Pac. A 4 de Julho de 1996, ele actuou ao vivo na House of Blues em conjunto com Outlawz, Tha Dogg Pound e Snoop Dogg. Foi a sua última performance ao vivo.

Apesar de encarcerado na Clinton Correctional Facility, Shakur leu e estudou Nicolau Maquiavel e outros trabalhos publicados, o que inspirou seu pseudónimo "Makaveli" sob qual ele lançou o álbum “The Don Killuminati: The 7 Day Theory”. O álbum apresenta um forte contraste com trabalhos anteriores. Ao longo do álbum, Shakur continua a concentrar-se sobre os temas de dor e agressividade, tornando este álbum um dos trabalhos emocionalmente mais escuros da sua carreira. Shakur escreveu e gravou todas as letras em apenas três dias, a produção levou mais quatro dias, combinando com um total de sete dias para completar o álbum (daí o nome).

Tupac chegou a mencionar a criação de uma gravadora, Makaveli Records, antes da sua morte. Era suposto ser um rótulo musical para actuais e futuros artistas que despertassem o interesse de 2pac em desenvolver o seu talento, os futuros trabalhos de Amaru também seriam publicados por aí.

Na noite de 7 de Setembro, Shakur foi ver o combate de boxe entre Mike Tyson e Bruce Seldon no MGM Grand em Las Vegas. Depois de deixar o combate, um dos associados de Suge avistou Orlando "Baby Lane" Anderson, membro dos Southside Crips no átrio do MGM Grand e informou Shakur, que então atacou Anderson. A comitiva de 2pac, assim como Suge assistiram ao ataque. A luta ficou gravada nas câmaras do hotel. A acção de Tupac em ter atacado Anderson prende-se com o facto deste ter assaltado um membro da comitiva da Death Row numa loja no início do ano. Após a briga, Shakur foi ao encontro de Suge para ir ao Clube 662 propriedade da Death Row (actualmente conhecido como restaurante/clube Seven). Ele foi no BMW de Suge.

Às 22:55, quando parou no sinal vermelho, Shakur baixou a janela e um fotógrafo tirou-lhe uma foto. Por volta das 23:00-23:05, eles foram parados em Las Vegas Por policiais de mota que alegaram que o som do carro estava muito alto e que não tinham placas de licença.

As placas foram encontradas no porta-malas do carro de Suge, apesar disso, os polícias deixaram-nos seguir alguns minutos mais tarde sem serem multados. Por volta das 23:10, quando pararam num sinal vermelho na Flamingo Road perto do cruzamento da Koval Lane na frente do Hotel Maxim, viram um veículo com duas mulheres. Tupac trocou palavras com elas, convidando-as para o hotel onde eles estavam instalados.

Aproximadamente às 23:15, um Cadillac branco, quatro portas, último modelo com um número desconhecido de ocupantes parou ao lado direito do sedan, baixou uma das janelas, e rapidamente disparou uma saraivada de tiros contra Shakur; as balas bateram-lhe no peito, na pélvis, na sua mão direita e na coxa.

Uma das rodadas aparentemente ricocheteou no pulmão direito de Shakur. Suge foi atingido na cabeça por fragmentos, embora se acredite que uma bala lhe acertou. De acordo com Suge, uma bala do tiroteio foi apresentada nos seus relatórios ao crânio, mas os médicos mais tarde desmentiram.


Na altura do drive-by, o guarda-costas de Tupac estava seguindo atrás num veículo pertencente a Kidada Jones, até então, noiva dele. O guarda-costas, Frank Alexander, afirmou que quando ele estava prestes a entrar junto com o rapper no carro de Suge, Shakur pediu-lhe para conduzir o carro de Kidada Jones. O amigo de infância de Shakur e membro do Outlawz Yafeu "Yaki Kadafi" Fula estava no comboio quando o assassinato ocorreu e indicou à polícia que ele poderia ser capaz de identificar os bandidos. Porém, foi baleado e morto pouco tempo depois em Irvington.

Após chegar ao local, policias e paramédicos levaram Suge e o mortalmente ferido Tupac Shakur para o University Medical Center. De acordo com uma entrevista a um dos amigos mais íntimos de Shakur, Gobi, enquanto no hospital, ele recebeu a notícia dum funcionário de marketing da Death Row dizendo que os atiradores tinham contactado a gravadora e estavam enviando ameaças de morte contra Shakur, alegando que eles iam lá para "acabar com ele”. Ao ouvir isso, Gobi imediatamente alertou a polícia de Las Vegas, mas a polícia afirmou que eles eram insuficientes e ninguém poderia ser enviado. Não obstante, os atiradores não chegaram. No hospital, Shakur foi fortemente sedado, respirando através de um ventilador e respirador, foi colocado em máquinas de suporte de vida, e foi finalmente colocado em coma barbitúrico induzido.

Apesar de ter sido reanimado num centro de trauma e de sobreviver a uma série de cirurgias (bem como á remoção do pulmão direito), Shakur ficou-se pela fase crítica do tratamento médico e foi-lhe dado 50% de hipótese de recuperar completamente. Gobi deixou o centro médico após ter sido informado de que 2pac fez uma recuperação de 13% na noite de sexta. Enquanto que na unidade de cuidados intensivos, na tarde de 13 de Setembro de 1996, Shakur morreu de hemorragia interna. Os médicos tentaram reanimá-lo, mas não puderam impedir a sua hemorragia. Sua mãe, Afeni, tomou a decisão de dizer aos médicos para parar. Ele foi declarado morto às 4:03 da noite. A causa oficial da morte foi insuficiência respiratória e parada cardiorrespiratória em conexão com múltiplos ferimentos de bala. O corpo de Tupac foi cremado e algumas das suas cinzas foram mais tarde misturadas com maconha e fumadas por membros do grupo Outlawz.

Para preservar o legado de Pac, a sua mãe fundou a Shakur Family Foundation (mais tarde renomeada Tupac Amaru Shakur Foundation ou TASF) em 1997. A missão da TASF era de “fornecer treino e apoio a estudantes que desejam melhorar o seu talento criativo” O TASF patrocinou concursos de teatro, eventos de caridade, um dia de campo de artes cénicas para adolescentes e de bolsas de graduação.

 Honras:

  •    MTV nomeou-o em 2º na lista dos “Maiores MC’s de Todos os Tempos”.

  •     Tupac Shakur foi introduzido no Corredor da Fama do Hip Hop em 2002.

  •     Em 2003, a contagem dos “22 maiores MC’s” da MTV colocou Tupac em nº1, votado pelos telespectadores.

  •     No VH1 Hip Hop Honors, em 2004, Shakur foi honrado juntamente com DJ Hollywood, Kool DJ Herc, KRS-One, Public Enemy, Run-D.M.C., Rock Steady Crew, e Sugarhill Gang.

  •     Na magazine da Vibe em 2004, nomeou Shakur como “o maior rapper de todos os tempos” assim como os fãs votaram.

  •     No primeiro festival anual de filmes Turks & Caicos realizado a 17 de Outubro de 2006, Shakur foi homenageado por sua voz e talento inegável e como artista que cruzou linhas raciais, étnicas e culturais, sua mãe recebeu o prémio em seu nome.

  •     Em 2008, a National Association Of Recording Merchandisers em conjunto com o Rock and Roll Hall of Fame reconheceu-o como um artista bastante influente e adicionou-o á lista dos 200 Defenitive.

  •     O hit de Tupac Shakur, “Dear Mama”, é uma das 25 faixas que será adicionada no National Recording Registry em 2010. A Library of Congress chamou ao hit “uma homenagem comovente e eloquente tanto á própria mãe do rapper assassinado como ás mães que lutam para manter a família em face do vício, da pobreza e da indiferença da sociedade civil”. Shakur é o terceiro rapper a entrar na biblioteca a tráz de Grandmaster Flash e Public Enemy.


  •     O seu álbum duplo "All Eyez On Me" é um dos álbuns mais bem vendidos de rap de todos os tempos, com mais de 5 milhões de cópias nos Estados Unidos, recebeu o certificado de 9x platina.

10 comentários:

Thэ Bэst disse...

noossa, bom trabalho........

muito bom mesmo cara, vlw aeee

marceloflm disse...

Muito bom, deve ter dado trabalho
Está muito bom e gostei muito

Ruixinhu disse...

muito bom mesmo
fico à espera de mais destas ;)

TEIA disse...

Olá amigos.
Seu blog é realmente muito bom.
Será publicado na Teia e quando tiver novas postagens basta fazer um novo pedido de divulgação.
Até mais.

Anônimo disse...

Olá!

Parabéns pela postagem sobre o Tupac. Muito informativo e completo. Um trabalho profundo que nos permite conhecer um pouco de áreas que não conhecemos plenamente.

Abraços

Anônimo disse...

parte das cinzas de tupac foram misturadas a maconha e fumada pelos outlawz??? de onde vc tirou isso?

-JS- disse...

Essa parte retirei da wikipédia em inglês. VocÊ pode ver aqui, é exactamente a ultima frase: http://en.wikipedia.org/wiki/Tupac_Shakur#September_1996_shooting_and_death

Anônimo disse...

Valeu hein mano, ótimo trabalho, continue com o blog

Anônimo disse...

Nossa ele e o meu Hero Black, Para sempre
By: Cristina Shakur

Vakdano disse...

O tipo é oluquente demais,este tipo foi uma lenda e revolucionario da familia rap do mundo. O blog é good. coninue assim forxa
by Valdano V.Boene_ Moz

Postar um comentário